Neil Patel

Espero que você goste desse artigo. Se você quer que meu time faça o seu marketing, clique aqui.

10 Dicas De SEO Para Aumentar as Vendas em 2021

vender mais com seo

O SEO para vendas é aquele cuidado que não pode faltar na estratégia da sua marca.

Afinal, como largar na frente da concorrência se o seu site não aparece em destaque entre os resultados de busca do Google?

Vale lembrar que, para os maiores e-commerces do mercado brasileiro, o tráfego orgânico corresponde a 24,7% dos acessos – número que dispara para mais de 65% quando falamos de sites menos conhecidos.

Ou seja, não é o tipo de cuidado que você pode simplesmente deixar para depois.

Pensando nesse cenário, separei 10 dicas em que ensino como aumentar as vendas em 2021 utilizando o SEO e as suas técnicas como princípio básico.

Continue lendo e confira!

O que é SEO?

O SEO, sigla pela qual é conhecido o termo Search Engine Optimization, pode ser definido como um conjunto de técnicas que têm por objetivo central aumentar a visibilidade de um site nos mecanismos de busca, especialmente no Google.

É esse foco que permite que a sua marca consiga ampliar o tráfego orgânico e melhorar a autoridade.

Tudo isso, é claro, com o propósito de gerar leads qualificados e alcançar as tão sonhadas vendas.

Mas como essa “mágica” acontece?

A verdade é que não existem milagres, mas sim um trabalho consistente de boas práticas na aplicação de técnicas.

Isso significa, obviamente, seguir diretrizes que facilitem a leitura das suas páginas pelos robôs, mas sem se esquecer da pessoa que está do outro lado da tela, em meio a um processo de decisão de compra.

Afinal, em última instância, é a atenção dela que você quer ter.

Como funciona o SEO?

Para entender como funciona o SEO, o primeiro passo é saber qual é a lógica por trás dos mecanismos de busca.

Isso porque as técnicas de otimização são construídas a fim de melhorar os resultados do seu site diante desses buscadores.

Basicamente, eles operam a partir de três etapas distintas:

  • Rastreamento: é aqui que acontece o crawling, em que os robôs procuram por conteúdos na internet por meio dos links, em busca de novos registros e atualizações
  • Indexação: as páginas rastreadas vão para o índice do buscador, que funciona como uma espécie de biblioteca virtual; uma vez indexadas, elas podem aparecer nos resultados de busca
  • Ranqueamento: etapa em que acontece a organização e a hierarquização das páginas; a partir de uma extensa lista de critérios, é estabelecida a ordem de qual conteúdo vai aparecer primeiro no buscador, também de acordo com a pesquisa feita pelo usuário.

Com o uso de técnicas de SEO on page (conteúdo, URLs, tags) e off page (backlinks, menções, buscas diretas), é possível melhorar as chances de que o seu site não apenas seja rastreado e indexado com facilidade, mas também apareça no topo do ranqueamento.

Como o SEO ajuda a vender?

Entendendo toda a lógica que descrevi até aqui, fica fácil perceber o quanto o SEO, se utilizado de forma inteligente, pode impulsionar o aumento das suas vendas.

E quando digo isso, não estou falando somente de aplicar as técnicas corretamente, mas sim de entender, por exemplo, qual tipo de conteúdo escrever para cada necessidade do seu cliente.

Em outras palavras, diz respeito a saber ler o consumidor e entender a sua trajetória até o momento de clicar no botão de comprar.

Quando o usuário faz uma busca sobre “smartphones mais baratos de 2020”, ele vai querer encontrar os modelos de aparelhos e os valores correspondentes.

Responder às perguntas propostas fazem com que o seu anúncio chame atenção e, consequentemente, aumenta o número de acessos da página.

Ter o seu conteúdo identificado como relevante também é um ponto-chave para que os mecanismos de busca melhorem o seu ranqueamento.

Isso vale, inclusive, para aqueles pequenos espaços de descrição, que muitas vezes permanecem sem informações ou são genéricos demais.

Quer outro exemplo simples de como o SEO para vendas pode trazer resultados impressionantes para o seu negócio?

Após apenas alguns ajustes, que não levaram mais do que dez minutos para acontecer, uma loja hospedada na Amazon foi capaz de aumentar as suas vendas em 320%.

Você pode se questionar: “minha marca vai ter um aumento de mais de 300% nas vendas se eu aderir às práticas de SEO?”.

Claro que cada caso é único, mas o que posso garantir é que um trabalho sólido de otimização, certamente, vai dar o suporte necessário para tornar o seu site mais competitivo e pronto para ranquear melhor.

10 Dicas de SEO para vendas

seo para vendas

Então, quer aumentar o seu número de conversões e atingir números mais expressivos?

Confira as dicas que separei e comece a transformar os resultados orgânicos alcançados pelo seu e-commerce.

1. Otimize suas URLs

As URLs nada mais são do que o endereço da sua página na internet, e elas precisam ser amigáveis, fáceis de ler e de identificar.

Por isso, seja sucinto nas descrições e evite usar subdomínios e caracteres especiais (#%&), pois eles atrapalham no rastreamento e na compreensão.

Outra dica importante é que as URLs sejam atemporais, para que quando você for realizar uma atualização no conteúdo não necessite editá-las.

Isso porque, ao mexer no endereço de uma página, toda a autoridade conquistada é posta em risco.

Para exemplificar, vou usar o mesmo exemplo do tópico anterior, sobre os “smartphones mais vendidos em 2020”.

Não há problema nenhum de escrever um conteúdo com essa palavra-chave.

No entanto, para não precisar alterar a URL em uma atualização para 2021, o seu endereço pode ser: seudominio.com.br/smartphones-mais-vendidos.

2. Tenha páginas responsivas

Atualmente, mais da metade dos acessos à internet vêm dos dispositivos móveis, ou seja, você precisa ter páginas que pensem na experiência oferecida nas plataformas mobile.

Isso significa ter um layout que se adapte aos diferentes tamanhos de tela e que possibilite expandir a visualização por meio de zoom, por exemplo.

Inclusive, o próprio Google já anunciou que prioriza a indexação de páginas otimizadas para tablets e smartphones.

Com essa dica, no entanto, não estou querendo dizer que você deve se descuidar da versão para desktop.

Você também pode estar se perguntando se ter páginas responsivas é o único critério para tornar o seu site mobile friendly.

A resposta é: não, mas já representa um bom começo.

Uma rápida velocidade de carregamento é outro aspecto a considerar.

Investir em Accelerated Mobile Pages (AMPs) é uma saída, pois mais da metade dos usuários abandona páginas que demoram mais do que três segundos para abrir.

3. Faça uma boa descrição de produtos e meta descrição

A lógica das vendas na internet não é muito diferente da encontrada no mundo físico.

As pessoas querem saber mais detalhes dos produtos e serviços que estão acessando, mas de forma direta e sucinta.

Por isso, nada de enrolação.

Deixe claro o objetivo, as vantagens daquele item e, o mais importante, desperte o interesse do cliente.

Investir em uma boa descrição de produtos e meta descrição vai afetar positivamente na taxa de cliques (CTR) – não se esqueça de que o número de acessos também é um fator de ranqueamento dos buscadores.

O cuidado aqui é evitar conteúdo duplicado: seja original e pense nas necessidades do consumidor.

4. Otimize o título de cada página

O título de cada página funciona como a manchete do seu site.

Portanto, tal como a descrição dos produtos e a meta descrição, ele também deve estar otimizado.

Afinal, especialmente quando estamos com pressa, é ele que vai impactar na decisão de clicar ou não na página em questão.

Assim como os elementos já citados e as URLs, o título precisa ser conciso (entre 60 e 70 caracteres) e amigável.

A ideia é que ele revele o tema da página e desperte o interesse do usuário em consumir.

Não se esqueça de incluir a palavra-chave.

5. Crie um sitemap para o Google

O sitemap funciona como uma espécie de guia para os mecanismos de busca.

Na prática, ele nada mais é do que um arquivo – normalmente em formato XML – que traz detalhes sobre o seu domínio: estrutura, atualizações, páginas a serem indexadas, entre outros itens.

Ou seja, o mapa do site é um grande facilitador, que ajuda os bots a lerem a sua plataforma com mais facilidade.

Como já expliquei, boa parte do rastreamento feito pelos crawlers se dá por meio dos links presentes naquelas páginas que já foram indexadas por eles.

Com o sitemap, essa varredura fica muito mais ampla, pois traz informações a respeito das URLs, dos vídeos, das imagens e de outras mídias que podem aparecer.

Isto é, um relatório completo.

Para criar o mapa do site para o Google, tudo o que você precisa fazer é definir as URLs que serão listadas, os formatos e as extensões que vão ser utilizadas.

Feito isso, você pode optar pelo desenvolvimento manual ou pelo suporte com ferramentas – existem instrumentos independentes e aqueles específicos para WordPress, por exemplo.

Se tiver dúvidas mais específicas, vale conferir o material disponibilizado pelo próprio Google com orientações.

6. Inclua mais links internos e externos em suas páginas

A sua estratégia de link building também deve ser muito bem pensada para alavancar as suas vendas.

Afinal, os buscadores se valem dos vínculos estabelecidos entre as páginas para mensurar a sua relevância.

Incluir links internos, por exemplo, é uma ótima tática para aumentar o tempo de permanência dos visitantes em seu site, que também conta como fator de ranqueamento.

No entanto, não crie ligações somente por criar: pense na experiência do usuário e use links apenas para conteúdos pertinentes, que realmente façam sentido com a palavra-âncora.

Já em relação aos backlinks, a dica é priorizar parceiros relevantes e fontes primárias.

Caso vá citar uma pesquisa, por exemplo, inclua o estudo original.

Além de trazer mais autoridade para o seu domínio, você também estará criando laços para parcerias futuras.

7. Fique de olho nas mudanças do algoritmo

Lembra que lá atrás eu falei sobre o Google dar mais valor às páginas responsivas e aos sites mobile friendly? Pois é, nem sempre foi assim.

Acontece que, no meio digital, as coisas mudam muito rapidamente.

O algoritmo dos buscadores passa por atualizações frequentes, seguindo tendências e priorizando, cada vez mais, a experiência do usuário.

Então, uma dica crucial a respeito de SEO para vendas é ficar de olho no que há de novo e em como o Google está pensando as maneiras pelas quais entrega conteúdo.

8. Responda às perguntas frequentes (FAQ)

Com frequência, você certamente se depara com dúvidas que se repetem por parte do consumidor, certo?

Essa pode ser a oportunidade ideal para ajudar os usuários, criando conteúdos complementares que os auxiliem a entender as políticas do seu e-commerce.

Se você fizer uma pesquisa rápida no Google, vai ver que os termos mais buscados são em forma de perguntas: “o que é”, “como fazer”, “quanto custa”.

Conteúdos que seguem essa linha funcionam como excelentes tutoriais de passo a passo e são um prato cheio para conquistar um featured snippet.

9. Incentive comentários

“Quem não é lembrado, não é visto”.

Não, o jargão popular não está invertido. Em termos de engajamento, influência e SEO, o conceito é esse.

Interações com o usuário são extremamente positivas no mundo digital.

É como se você dissesse para o Google: “tenho aqui um conteúdo tão relevante que estão falando sobre ele”.

Com base nisso, o buscador pode se valer desses diálogos como um critério de ranqueamento.

Por isso, é fundamental você incentivar comentários, perguntas e reflexões. Quanto mais criativo e natural for esse contato, melhor.

O uso de call to action (CTA), por exemplo, não pode faltar nos seus conteúdos, pois incentiva esse comportamento de interação.

10. Utilize uma conexão segura HTTPS

A última dica é também uma das mais importantes: se o seu e-commerce ainda não tem HTTPS, faça essa mudança para ontem.

Para quem não está familiarizado com o termo, eu explico: HTTPS é um protocolo de segurança de hipertexto, que oferece uma defesa extra ao já consagrado HTTP.

Ele é mais seguro porque utiliza a criptografia, dando total confidencialidade e proteção aos dados do usuário e do site.

Ou seja, diminui as chances de um invasor mal intencionado roubar informações sigilosas, uma vez que só o visitante e o próprio site conseguem decodificar os dados.

Além da segurança, a conexão HTTPS oferece mais credibilidade e melhora a performance do seu site.

Por conta disso, esses domínios também ganham pontos no ranqueamento do Google, uma vez que o buscador entende que tais elementos colaboram para uma boa navegabilidade e, consequentemente, com a experiência do usuário.

Para migrar de conexão, você precisa comprar um certificado SSL – o que pode ser feito por meio da empresa que hospeda o seu site -, verificar a compatibilidade dos recursos para que as suas páginas continuem funcionando após a troca e seguir todos os passos de habilitação do protocolo HTTPS.

Conclusão

O ano de 2020 certamente foi desafiador para todo mundo, diante de um cenário atípico que forçou mudanças profundas na rotina.

Mas ele também mostrou o quanto o e-commerce ainda pode crescer e se fortalecer diante do consumidor.

Para 2021, a minha provocação é que você crie como meta dar mais atenção ao SEO como ferramenta que pode multiplicar os resultados de vendas.

Aqui, já deixei dez boas dicas de por onde começar, tanto identificando problemas quanto desenvolvendo soluções estratégicas.

Já pensou em como colocar tudo isso em prática?

Onde está a principal dificuldade da sua estratégia de SEO e vendas atualmente?

Compartilhe