Evolução do Marketing: Veja a Origem e Fases Que o Marketing Passou

representação da evolução do marketing

A evolução do marketing passa por uma série de transformações ao longo do tempo.

Hoje as técnicas e estratégias de vendas fazem parte do dia a dia de profissionais e amadores.

“Amadores?”, você pode perguntar.

Sim, até mesmo pessoas físicas utilizam estratégias de marketing digital para gerar resultados de negócios.

Mas nem sempre foi assim.

A história do marketing nos leva a centenas de anos atrás.

Desde então, foram muitas as mudanças que aconteceram e revolucionaram a forma como empresas e pessoas se relacionam.

Neste artigo, mostrarei os passos dessa evolução do marketing durante toda a história da humanidade.

Vamos embarcar juntos nessa história?

Garanto que o conhecimento será útil para a sua jornada.

Origem e evolução do marketing

origem do marketing

Antes de iniciar, preciso dizer que a evolução do marketing pode ser uma linha traçada com diversas canetas.

Isso porque a maioria dos historiadores concorda que o marketing existe desde que se iniciaram os processos de negociação por parte de seres humanos.

Como nosso mundo é vasto e existem múltiplas culturas que coexistiram na antiguidade, é difícil precisar uma data.

Mas nós podemos especular as circunstância de seu surgimento.

A seguir, vamos conhecer as teorias mais aceitas sobre a origem e evolução do marketing.

Surgimento do marketing

Não há uma data específica para determinar quando surgiu o marketing.

De modo similar, nos faltam informações de onde surgiu o marketing exatamente.

Podemos dizer que a tentativa de vender bens e serviços é tão antiga quanto a própria civilização humana.

Ao vender um utensílio doméstico, um comerciante utilizava técnicas de persuasão, consideradas fundamentos de marketing.

Alguns especialistas afirmam que os primeiros registros nos levam à China e à Índia antigas.

No entanto, há uma invenção que revolucionou totalmente o mundo à sua época, sobre a qual sabemos bastante a respeito.

A prensa de Gutenberg foi lançada em 1450.

E por que isso é tão importante?

Imagine um mundo no qual você tem a abrangência reduzida ao alcance da sua voz.

Para disseminar informação, você deveria falar para pequenos grupos ou uma única pessoa por vez.

A prensa, por outro lado, levou essa atividade a um novo patamar.

Por meio da mídia impressa, tornou-se possível distribuir materiais gráficos em escala massiva.

O dispositivo de pressão era aplicado em textos e automatizada o processo de impressão.

Se antes as mãos dos escrivães eram o único recurso disponível, a partir da data um único documento redigido podia ser reproduzido quantas vezes fosse necessário.

Duas centenas de anos depois surgiam, então, os primeiros veículos impressos.

Livros, jornais e revistas passaram a ser comercializados e tornaram-se o primeiro grande canal de comunicação do mundo.

Mídia impressa

midia impressa na evolução do marketing

Rapidamente esses meios se tornaram ferramentas de marketing.

Isso significa que serviam como catalizadores para processos de vendas.

É claro que isso quer dizer anúncios, já que nos primórdios o marketing era essencialmente voltado às ações de outbound.

O outbound marketing (ou marketing de saída) tem como principal característica a comunicação unilateral.

Ou seja, a mensagem é transmitida da empresa para o cliente, sem métodos interativos para que levam em conta a participação do consumidor no processo.

A mídia impressa encontrou na publicidade um meio de sustento muito valioso.

Afinal, todas as pessoas precisam de informação.

Com o crescimento do formato, mais e mais empresas decidiram investir em anúncios no papel.

Mas com o tempo, perceberam que poderiam ampliar e melhorar as táticas de marketing daquela época.

Espaços públicos

marketing em espaços públicos

Naturalmente, as empresas começaram a distribuir panfletos, uma maneira prática e eficiente de alcançar um grande público.

No entanto, o meio de entrega ainda gerava gastos.

Era preciso contratar uma pessoa ou, no mínimo, solicitar permissão para a distribuição em estabelecimentos.

Foi aí que os profissionais da época vislumbraram uma nova possibilidade.

E se, em vez de pequenos materiais de divulgação, fossem criadas peças maiores?

Nasciam os pôsteres, ferramentas gráficas que eram veiculadas em postes, muros e até mesmo em veículos.

Mais tarde, sua versão mais sofisticada emergiu: os outdoors.

Esse formato rapidamente ganhou notoriedade e passou a ser utilizado em grandes centros para otimizar o alcance das campanhas.

Audiovisual

audiovisual noa evolução do marketing

Passaram-se alguns anos e a comunicação sofreu uma nova revolução.

Em 1870 aconteceu uma negociação fundamental para moldar o destino da humanidade.

O italiano Antonio Meucci vendeu um protótipo de dispositivo para ninguém menos que Alexander Graham Bell.

Mais tarde, ele se tornaria o telefone, meio de comunicação que permitia o diálogo à distância.

Alguns anos depois, em 1906, acontecia a primeira radioemissão aberta ao público nos Estados Unidos.

Antes disso, a tecnologia era utilizada somente para finalidades militares.

Em 1922 é a vez do norte americano Philo Farnsworth mudar o mundo.

Com a invenção da televisão, áudio e vídeo eram aliados em um só aparelho, modificando os hábitos e costumes do consumidor.

É claro que cada uma dessas criações demorou anos para atingir um alto índice de penetração.

Mas, inevitavelmente, elas ocuparam grande parte dos lares naquele tempo.

Isso trouxe um novo rol de possibilidades para marketing.

Juntamente às ideias desses grandes cientistas, surgiram o telemarketing e os anúncios de rádio e televisão.

Essas estratégias foram tão impactantes que ainda hoje são utilizadas por profissionais de marketing.

Aqui, reitero, temos ações de marketing de saída.

Foi somente no fim do século XX que surgiu aquela que é considerada a maior revolução da história da comunicação mundial.

Marketing digital

marketing digital na evolução

Em 1969, ainda com o nome de Arpanet, surgia a primeira rede de comunicação entre computadores.

Mas foi apenas em 1980 que começaria a ser desenvolvido o primeiro projeto de conexão global: a World Wide Web.

A internet modificou inteiramente os modelos de marketing como eram conhecidos, justamente por seu alcance.

Nesse momento histórico, a estrutura mundial foi reorganizada.

Aos poucos, as barreiras de comunicação foram desfeitas.

A internet empoderou o usuário.

Agora, uma única pessoa poderia ter um impacto tão grande quanto um gigante órgão de imprensa.

Com esse modelo vigente, emergiu o marketing online, uma maneira totalmente nova de alcançar pessoas e fechar negócios na esfera digital.

Aqui gostaria de abrir um parêntese para tratar um pouco sobre, particularmente, a evolução do marketing digital.

Nesse cenário, aparece uma nova figura: o consumidor digital.

Ele não é mais um mero receptor no processo comunicacional.

Muito pelo contrário.

O internauta é quem escolhe por onde e quando navegar.

Clica no que lhe interessa, interage e estabelece seus próprios padrões de comportamento.

A indústria do marketing não via outra opção a não ser a adaptação.

Para cada ação, uma resposta:

  • Os profissionais perceberam que o primeiro contato deveria partir do consumidor e não da marca, então, surgiu o inbound marketing (ou marketing de entrada)
  • Os profissionais perceberam que as pessoas consumiam muito conteúdo em blogs, então, surgiu o marketing de conteúdo
  • Os profissionais perceberam que as pessoas passavam a maior parte do tempo em plataformas de interação, então, surgiu o marketing nas redes sociais
  • Os profissionais perceberam que os usuários buscavam respostas nos mecanismos de busca, então, surgiu o SEO (Searching Engine Optimization)
  • Os profissionais perceberam que os anúncios ainda tinham um bom respaldo, então, mantiveram o outbound no formato de links patrocinados
  • Os profissionais perceberam que as mensagens por email geravam alto engajamento, então, surgiu o email marketing
  • Os profissionais perceberam que a navegação fluida era um grande diferencial para internauta, então, surgiu a experiência do usuário (UX)
  • Os profissionais perceberam o crescimento no consumo de vídeos, então, surgiu o video marketing
  • Os profissionais perceberam o crescimento do uso da internet à distância, então, surgiu o mobile marketing

É justo dizer que ainda teremos muitas outras atualizações na forma de se fazer marketing digital.

Nesse contexto, quem está no controle é o usuário.

Quem sabe qual será o comportamento do consumidor digital amanhã?

O fato é que, para se manter na crista da onda, é preciso se adaptar às novas tecnologias e necessidades.

Fases da evolução do marketing

ilustração sobre ascenção de marketing

A evolução do marketing passa por diversas fases.

Até aqui, nós vimos quais foram as grandes invenções que transformaram os hábitos de consumo e, consequentemente, o mundo do marketing.

A partir de agora, convido-o a observar essas mudanças via olhar mais aprofundado.

Philip Kotler é o maior estudioso da área, congratulado autor de diversos livros e diversas teorias e análises amplamente divulgadas.

Vamos conhecer, sob sua perspectiva, as principais fases da evolução do marketing.

Marketing 1.0

No marketing 1.0, as estratégias eram centradas no produto.

Nessa fase, a produção massiva ganhava força no início da Revolução Industrial.

Trata-se do marketing aplicado à economia de escala, quando surgiam as primeiras grandes empresas de manufatura.

As fábricas contavam com um grande número de funcionários e máquinas trabalhando para entregar o produto ao consumidor.

Por conta disso, a primeira ideia que os profissionais da época tiveram foi exaltar as qualidades daquilo que vendiam.

É mais que natural, não é mesmo?

Nessa época, o objetivo das empresas era o desenvolvimento do negócio.

É por isso que a padronização dos produtos oferecidos reinava.

As empresas perceberam que o aumento do número de anúncios implicava diretamente no crescimento das vendas.

O outbound marketing era aplicado em sua essência.

Nas páginas de jornais e revistas, placas e outdoors, os cidadãos observavam anúncios de carros, alimentos e roupas.

Os textos e imagens eram sempre voltados aos produtos.

“Este sapato é melhor porque é feito com um couro especial”.

“Este carro tem um porta-malas maior”.

“Este alimento garante muito mais energia por um preço muito mais acessível”.

Você veria um formato semelhante ao das frases citadas pela cidade.

Mas, aos poucos, houve o aumento da concorrência.

Com isso, os profissionais de marketing identificaram a necessidade de uma mudança de foco.

Marketing 2.0

No marketing 2.0 o foco se tornou o cliente.

As pessoas se tornaram mais exigentes, e a exaltação ao produto não era mais suficiente para convencê-las.

Enquanto na fase anterior existiam muitos nichos com monopólios e oligopólios, agora o mercado se ajustava e surgiam novas tendências.

Aqui os consumidores comparavam produtos, serviços, preços e marcas.

Foi desenvolvido um senso crítico coletivo.

Assim, o marketing se adaptou.

Por conta disso, iniciou-se aquele que é conhecido como o primeiro processo de segmentação baseado nas preferências do público.

Em outras palavras, produtos semelhantes passaram a direcionar suas ações a nichos da população.

Os clientes se tornaram o foco.

Aqui surgia a definição de público-alvo.

“Esses sapatos são os melhores para o homem elegante”.

“Esses sapatos são a solução para homens maduros”.

“Esses sapatos oferecem conforto para quem viaja muito”.

Observe que, nesse caso, o mesmo produto atende a diferentes necessidades de um público consumidor.

O foco não são os benefícios do produto, mas o perfil de consumidor que a marca deseja atingir.

De modo similar, os canais passaram a ser estudados.

Se antes um outdoor no centro da cidade tinha como objetivo alcançar o maior número de pessoas possível, agora os gastos passavam a ser calculados.

Não faz sentido anunciar em uma revista voltada às classes A e B se o seu público pertence às classes C e D, não é mesmo?

Aqui também surgem os 4 P’s do marketing: produto, preço, praça e promoção.

Todos eles são considerados para definir as estratégias de marketing.

Marketing 3.0

Chegamos, então, ao marketing 3.0, que é voltado aos valores.

“Mas como assim?”, você deve estar se perguntando.

Bom, basicamente é o marketing com foco na pessoa.

Enquanto o marketing 2.0 se concentra nas necessidades de grupos, sua evolução é ainda mais personalizada.

Nessa fase falamos sobre a maior rede de comunicação mundial: a internet.

Na web as coisas funcionam de maneira muito peculiar.

As pessoas influenciam umas às outras, discutem sobre diferentes temas, falam sobre produtos e marcas e resolvem problemas online.

A palavra central no marketing 3.0 é a humanização.

As pessoas não mais são observadas como meros clientes, pois há outros elementos que influenciam na decisão de compra.

Falo dos valores.

O campo das ideias torna-se parte da concepção das empresas.

Os consumidores dividem o mesmo espaço virtual e, portanto, fazem parte da construção de uma marca.

É aqui que visualizamos pessoas falando para pessoas.

Nesse cenário, temos a criação do conceito de persona, um personagem fictício para o qual as companhias passam a falar.

Gerar empatia torna-se uma necessidade.

Melhorar o mundo de acordo com pontos de vista semelhantes é um fator decisivo para a compra na era digital.

Portanto, adquirir a confiança do consumidor tornou-se o maior objetivo das empresas.

A criação de conteúdo, o recolhimento de leads e a fidelização de clientes são práticas que levam ao sucesso.

Justamente pelo fato de manterem um relacionamento constante e prestarem serviços à audiência.

As estratégias de inbound marketing ganham muita força.

O consumidor toma suas próprias decisões e não é tão impactado pelos anúncios e a publicidade tradicional.

Antes de fechar um negócio, ele precisa sentir que há sintonia entre ele e a marca.

Por conta disso, canais como as redes sociais e os blogs são poderosas aliadas para estimular as interações.

E o email emerge como um canal pessoal, no qual são trocadas mensagens que geram utilidade para o internauta.

“Criamos um ebook especial para resolver às suas dúvidas.”

“Se inscreva em nossa newsletter para receber dicas sobre esse assunto”.

“Nos dê a sua opinião sobre as melhorias no processo”.

Nesse caso, observar pessoas além de meras fontes de arrecadação e segmentar o público por seus propósitos semelhantes é a chave para o sucesso no mercado.

Tudo isso é feito por meio do recolhimento de dados, o grande diferencial da era digital.

Graças ao Big Data, conhecer as pessoas e compreender o público é uma ação possível.

Marketing 4.0

industria do marketing 4.0

Apesar de alcançarmos a era atual, as coisas não param por aí.

Chegamos à fase do marketing 4.0, na qual o foco é o ser humano.

Aqui o cerne é a unificação entre marcas e pessoas.

Ou seja, há o fim da hierarquia.

Marcas e consumidores estão lado a lado, se relacionam cotidianamente e trabalham juntas por seus ideais.

Os colaboradores da empresa também tornam-se figuras centrais para que a empresa prospere.

O cliente não deseja lidar com logotipos e cores, mas rostos, nomes e vozes.

Trabalhando em união e com uma visão holística da empresa, essa é a atual revolução pela qual passamos.

Conclusão

Chegamos ao fim de mais um texto, desta vez com muitos ensinamentos sobre a história do marketing

Vamos recapitular o que aprendemos hoje.

Primeiro, conhecemos a origem do marketing e observamos que sua criação é incerta.

Depois, vimos os passos que foram dados em sequência, desde a criação da mídia impressa, passando pelos espaços públicos, rádio, TV e culminando nos marketing digital.

Por fim, conhecemos uma a uma as fases do marketing, como descritas pelo maior especialista da área, Philip Kotler.

Se você ainda tem alguma dúvida, não esqueça de deixá-la nos comentários.

Assim que possível, voltarei aqui para respondê-la.

Compartilhe