Neil Patel

Espero que você goste desse artigo. Se você quer que meu time faça o seu marketing, clique aqui.

Marketing Sensorial: O Que É e Como Usar Para Vender Mais em 2019

marketing sensorial nas empresas e marcas

Se você ainda não conhece o marketing sensorial, pode estar perdendo uma grande chance de destacar a sua marca, conquistar clientes e aumentar as vendas.

O marketing sensorial envolve criatividade e personalização, e é capaz de proporcionar ao público uma vivência diferente e completa.

Esse tipo de estratégia está alinhado aos anseios e comportamentos do consumidor atual.

Para se ter uma ideia, 89% dos brasileiros afirmam que a experiência impacta a decisão de compra.

Se, em pleno 2019, você não leva isso em consideração, o que posso te dizer é que seu negócio está fadado ao fracasso.

E olha que nem preciso de super poderes para fazer essa previsão.

Aproveitando este momento, aqui vai mais uma intuição: você não quer ver o fim do seu negócio.

Acertei?

Então, é o seguinte: você precisa se convencer o quanto antes de que as experiências são importantes.

E eu vou mostrar isso neste texto, com a explicação sobre o que é o marketing sensorial e como ele impacta nos resultados de uma empresa.

Além disso, também separei alguns exemplos de marcas que tiveram sucesso com a estratégia.

Confira!

O que é marketing sensorial?

mercado de vinhos como exemplo de marketing sensorial

O marketing sensorial é uma estratégia que utiliza o estímulo dos cinco sentidos para despertar nos consumidores a necessidade e o desejo de adquirir um produto ou serviço, com base em uma experiência singular.

Para entender melhor o que é o marketing sensorial, vou dar um exemplo prático.

Sabe quando você entra em seu restaurante favorito e o cheiro no ambiente o aguça a pedir logo a refeição?

O aroma é tão marcante que, só de lembrar, dá vontade de fazer uma reserva e ir hoje mesmo, não é?

Pois é. O marketing sensorial está presente aí.

Ele se manifesta não só pelo cheiro, mas também por meio das imagens, dos sons, dos sabores e das texturas.

O marketing sensorial pode instigar só um dos sentidos ou usar uma combinação deles.

A estratégia a ser aplicada depende das possibilidades de cada negócio.

Vale destacar que a escolha não se limita à atuação da empresa.

Uma loja de perfumes, por exemplo, não precisa explorar apenas o olfato.

A playlist que toca enquanto o cliente escolhe o que vai levar também é eficaz. A música pode ser associada a alguma lembrança boa, que seja decisiva para a compra.

Deu para entender?

Vamos seguir, então, com as vantagens do marketing sensorial.

Benefícios do marketing sensorial para a sua empresa

benefícios do marketing sensorial nas empresas

Quando citei ali em cima sobre uma lembrança ser capaz de estimular o cliente a efetuar uma compra, dei uma prévia de um dos benefícios do marketing sensorial: o de estabelecer um vínculo afetivo.

Esse elo emocional é tão forte que, na maioria das vezes, o consumidor nem se dá conta de que aquilo o motivou a tomar uma decisão.

Ou seja, a marca vende sem precisar de uma ação comercial direta, abusiva e irritante.

Vai me dizer que você nunca deixou de levar um produto para casa porque o vendedor insistiu demais?

Alguns métodos de abordagem ficaram para trás e foram substituídos por outros muito mais eficientes, como o marketing sensorial.

Ele também contribui para que o público da marca viva experiências diferentes e significativas.

No fim, ao encantar os clientes, as chances de fidelização são muito maiores.

Como o marketing sensorial mudou a maneira de vender?

mudança na forma de vender através do marketing sensorial

Você deve concordar comigo que uma propaganda na TV, mostrando os atributos de um produto, já não surte tanto efeito quanto antes, certo?

Na verdade, o canal não importa. Citei a TV como exemplo, mas considere também o rádio, o jornal, as mídias sociais, etc.

O que quero dizer é que a forma de conquistar os consumidores mudou.

São eles que estão no centro de tudo. E não mais as marcas.

Hoje, um bom produto não é sinônimo de vendas.

Quem quer converter, precisa trabalhar outros aspectos, que vão desde o propósito do negócio até a atenção no pós-venda.

Além disso, o consumo é pautado em micro-momentos. São eles que fazem a diferença.

Muitas compras são realizadas no impulso, por uma necessidade gerada em questões de instantes.

O desafio das empresas é descobrir como estar presente e participar dessas interações momentâneas.

É por isso que somente as narrativas, por mais bem construídas que sejam, nem sempre são suficientes para que o público-alvo se sinta conectado a uma marca e decidido a escolhê-la.

É preciso mais. Além da utilidade e da relevância, a estima é importante.

E o marketing sensorial, nesse caso, é uma excelente tática para estabelecer laços e apoiar a tomada de decisão do consumidor.

O fato é que não dá para fechar os olhos diante do cenário atual e dos novos comportamentos.

O jeito de vender se transformou. Evoluiu.

Por essa razão, empresas que adotam o estímulo dos sentidos são mais bem-sucedidas em suas estratégias.

Neuromarketing x Marketing Sensorial

Ao acompanhar o assunto até aqui, deu para perceber que o marketing sensorial atua, de certa forma, subjetivamente.

Afinal, a ideia por trás de todo o processo é atingir o subconsciente do consumidor e fazê-lo tomar decisões baseadas em sensações e sentimentos.

Nesse ponto, o marketing sensorial e o neuromarketing se cruzam.

Na realidade, o marketing sensorial pode ser entendido como uma subcategoria dentro do neuromarketing.

Enquanto o marketing sensorial se encaixa mais como uma estratégia, o neuromarketing é uma ciência.

O neuromarketing, por meio do estudo neurológico, busca identificar as razões que provocam os comportamentos de consumo.

Para isso, realiza o mapeamento das áreas do cérebro responsáveis pela tomada de decisão.

Como resultado, entrega quais táticas podem ser usadas para que esse objetivo seja concretizado.

Assim, o neuromarketing mostra os caminhos, e o marketing sensorial, por sua vez, se aproveita dessa orientação de forma prática.

Quais são os 5 elementos sensoriais?

elementos sensoriais no marketing

Mencionei sobre os sentidos, mas ainda não entrei no detalhe de quais são.

Os elementos sensoriais são aqueles que aprendemos lá atrás na escola: olfato, paladar, visão, tato e audição.

Vamos vê-los agora com mais detalhe e como funcionam na prática.

Olfato

Nosso nariz possui algumas terminações nervosas que são estimuladas quando as substâncias passam pela mucosa.

As partículas de alimentos e flores, por exemplo, chegam ao nosso nariz e se dissolvem no tecido. O nosso organismo se encarrega de levar essa informação até o cérebro.

Daí reconhecemos os cheiros das coisas.

O sentido do olfato, portanto, nos permite sentir os aromas que estão no ar.

No marketing sensorial, o olfato é muito explorado por lojas de roupas e comércios de alimentos com o uso de perfumes.

Exemplo de como fazer: em uma loja de roupas de praia, usar cheiros que remetam à água do mar.

Paladar

Também chamado de gustação, esse sentido está ligado à nossa capacidade de reconhecer os sabores.

Por meio das papilas gustativas, podemos sentir o salgado, o doce, o amargo, o ácido e o umami.

Talvez você não conheça este último.

Ele foi integrado nos anos 2000 pela comunidade científica e tem como base o aminoácido glutamato, mais presente em alguns alimentos, como tomate, queijos e cogumelos, dentre outros.

O gosto umami tem um significado generalizado, usado quando uma comida é deliciosa.

Ele pode ser explicado como a sensação de salivação que fica na boca após a degustação.

No marketing sensorial, embora seja mais fácil de empregar o paladar ao setor alimentício, é possível explorar o sentido em outros negócios.

Exemplo de como fazer: oferecer biscoitos para degustação ou outros alimentos que tenham relação com a marca.

Visão

A visão é o sentido que nos permite enxergar o que está ao nosso redor.

A compreensão do que vemos ocorre por meio dos nervos ópticos, que levam as informações até o cérebro.

A identificação das cores e da intensidade luminosa são dois pontos muito importantes, que podem ser levados em conta na hora de colocar o marketing sensorial em prática.

Exemplo de como fazer: criar um ambiente mais intimista com cores frias e luzes de velas.

Tato

O tato, por sua vez, ocorre quando nosso corpo toca alguma coisa e podemos sentir as texturas.

Embora o sentido seja mais comum pela pele, também ocorre na língua e em tecidos internos.

Algumas sensações como calor, frio e dor fazem parte do tato. Os estímulos são impulsionados pelo sistema nervoso central, no qual são interpretados e respondidos.

O tato possibilita diversas formas de promover o marketing sensorial.

Afinal, é mais fácil colocar um produto para toque e experimentação.

Exemplo de como fazer: expor uma cama super arrumada com lençóis, cobertores e colchas para que as pessoas sintam o quanto são confortáveis.

Audição

Por último, a audição, que é a percepção dos sons pelo ouvido.

O órgão reconhece as vibrações das ondas sonoras e as transforma em impulsos nervosos, que são levados pelo nervo auditivo até o cérebro.

O ouvido é bastante sensível e, por esse motivo, suporta ruídos de até 70 decibéis. Acima disso, o tímpano corre o risco de ser lesionado.

Colocar músicas para tocar é uma das ações mais frequentes do marketing sensorial auditivo.

Exemplo de como fazer: montar uma playlist que represente a identidade da marca e atenda às preferências do público-alvo

3 Exemplos De Marketing Sensorial

Dunkin Donuts como exemplo de empresa que utiliza marketing sensorial

Para fortalecer ainda mais a ideia do marketing sensorial, selecionei três exemplos de marcas que entenderam a importância da estratégia e criaram ações criativas para encantar os clientes e alavancar as vendas.

Dá uma olhada!

Dunkin’ Donuts

A Dunkin’ Donuts é uma empresa global especializada em rosquinhas e café.

Em Seul, capital da Coréia do Sul, a marca já era conhecida pelos donuts, mas tinha o desafio de emplacar a venda da bebida.

Em meio a tantas outras franquias de café, a Dunkin’ Donuts apostou no marketing sensorial para se destacar.

Avaliando o cenário da região, a empresa percebeu que, por conta do trânsito caótico, a maior parte das pessoas usava o transporte público para ir e voltar do trabalho.

Assim, decidiu liberar o aroma do café nos trens e ônibus todas as vezes em que o anúncio da marca era transmitido no rádio.

A ação impactou mais de 3.500 pessoas e venceu até um prêmio Cannes Lion.

A empresa ganhou também nas vendas, com crescimento de 29%.

Lacoste

A marca do famoso jacarezinho também investiu em marketing sensorial. Dessa vez, para oferecer a seus clientes uma experiência única.

O sentido usado como estratégia foi a audição.

A empresa criou uma playlist repleta de músicas harmônicas à sua essência, e claro, adequada aos gostos do seu público-alvo.

Enquanto os clientes faziam as compras, eles ouviam as músicas. A proposta de oferecer uma experiência completa naqueles momentos agradou a audiência.

Hotel Marriot

Lembra que comentei sobre usar uma combinação de elementos sensoriais?

Foi isso que a rede de hotéis Marriot fez.

Com apenas um equipamento – óculos de realidade aumentada – a marca trabalhou uma experiência completa.

As pessoas viam, por meio dos óculos, as imagens de alguns destinos para aproveitar as férias.

Por conta da tecnologia 4D, a sensação que elas tinham era de imersão.

Dependendo do lugar que estavam vendo, outros itens eram acionados. Nas praias, por exemplo, os óculos simulavam o calor do sol e até borrifavam água para lembrar o mar.

Conclusão

Consegui convencê-lo de como as experiências são importantes e da forma como o marketing sensorial contribui para que elas sejam vivenciadas?

Espero que sim.

Bom, neste artigo, tratei dos elementos sensoriais que podem ser explorados e pincelei alguns exemplos de como colocar em prática.

Você pode reproduzi-los se estiverem alinhados ao seu negócio.

Mas, lembre-se sempre: o ideal é conhecer bem suas personas e entender quais são as maneiras mais adequadas de abordá-las para criar interações momentâneas.

Sem isso, todo o esforço pode ser em vão.

Avalie todo o processo de compra do seu target e pense em como melhorar a experiência dele com a sua marca.

Tenha também o cuidado de fazer isso em todos os canais.

Ou seja, seus clientes precisam ter o mesmo nível de excelência em todos os pontos de contato. É o tão falado e inestimável conceito de omnichannel.

E, então, gostou do conteúdo? Já fez alguma ação de marketing sensorial no seu negócio? Quais foram os resultados? Escreva aqui nos comentários.

Compartilhe