Google EAT: O Que É e Como Melhorar o Seu Ranking (2019)

google eat e os rankings

Você provavelmente já ouviu falar sobre o Google E-A-T.

Especialmente caso se preocupe com estratégias de marketing digital e de SEO.

O termo ganhou notoriedade em 2018, quando o motor de buscas anunciou uma importante atualização.

Como consequência, diversos profissionais iniciaram um debate sobre a importância do acrônimo para o ranqueamento nas páginas de resultados.

Desde então, passei a receber diversas dúvidas de pessoas envolvidas no ramo.

Mas, afinal, o que é o Google E-A-T?

Qual é a sua funcionalidade?

Por que essa sigla é tão comentada?

Por isso, decidi criar este conteúdo e responder a todas elas.

No artigo de hoje, descubra tudo que é necessário sobre o E-A-T do Google e como utilizá-lo para melhorar as suas ações de otimização.

O que é E-A-T e por que isso é importante?

google eat e os algoritmos nas pesquisas

Os algoritmos do Google são um mistério.

Seria ótimo se, a cada atualização, a fórmula fosse revelada, pontuando a relevância de cada um dos mais de 200 fatores de ranqueamento, não é mesmo?

No entanto, as coisas não funcionam dessa maneira.

Os updates são lançados e, assim, milhares de profissionais mundo afora iniciam discussões e testes para interpretar as mudanças.

Afinal, essa é uma das principais fontes de renda de grande parte das empresas, responsável por gerar tráfego e vendas para uma infinidade de blogs e sites.

Podemos dizer que o Googlebot é o principal objeto de estudo de uma parcela significativa de profissionais de marketing online.

Enquanto eles se remexem para descobrir os segredos do robô, a empresa se mantém em silêncio.

Agora, imagine a importância de uma informação cuja fonte é justamente o Google.

É o caso do E-A-T, divulgado como um importante sinalizador para o ranking de pesquisas.

Cada uma das letras do acrônimo representa um componente:

  • E: Expertise (especialização)
  • A: Authoritativeness (autoridade)
  • T: Trustworthiness (confiança).

Em conjunto, formam a tríade sagrada das diretrizes de qualidade (QRG) recomendadas pelo buscador.

Quando o próprio Google divulga uma informação, é natural que todos queiram compreender do que se trata.

Apesar de não apontar diretamente para o que se deve fazer para obter um bom posicionamento na SERP (a página de resultados do Google), traz dicas valiosas para qualquer um que se arrisque em SEO.

Portanto, a seguir, vamos conhecer um pouco mais sobre cada um dos elementos que compõem o Google E-A-T.

Expertise (Especialização)

Não importa qual seja o seu ramo de atuação, a expertise é um item valioso.

Pense bem: você prefere aceitar as sugestões de um iniciante ou de um especialista?

Pois é, isso também é muito importante para o algoritmo do Google.

E só há uma maneira de se tornar um expert: por meio da experiência.

Isso possivelmente justifica o fato de que domínios mais antigos têm maior facilidade de ranqueamento.

Mas como o Google avalia a expertise de uma página?

Obviamente, ele quer respostas para as questões dos usuários.

Mais: quer respostas redigidas por especialistas.

Não, a ferramenta não acessa o LinkedIn do autor para verificar o seu currículo e avaliar as suas competências.

Na realidade, o método utilizado para tal são as métricas.

Ou seja, há uma série de dados que dizem ao bot que aquela página é redigida por alguém com especialização.

Isso é uma resposta ao grande número de websites que utilizam a otimização de palavras-chave para criar muito conteúdo, mas com baixa qualidade.

Então, se dentro de um mesmo domínio há uma série de conteúdos relevantes em um longo período, isso aumenta o fator expertise.

Em resumo, páginas suplementares influenciam no ranqueamento das outras.

Nesse caso, a recorrência e a qualidade dos posts estão interligados.

Authoritativeness (Autoridade)

Damos o nome de autoridade a páginas de alta relevância nos mecanismos de buscas.

Esse critério é estabelecido por uma série de fatores, levando em conta a experiência do usuário na página.

Por exemplo: se a maior parte dos usuários acessa o link disponibilizado entre os resultados da busca e encontra a resposta correta, há ganho de autoridade.

Essa medição é realizada por meio de métricas relevantes, como o Tempo de Permanência na Página.

Além disso, aqui também temos como referência outro importante elemento: os backlinks.

Backlinks são links de entrada presentes em páginas externas.

Em outras palavras, referências que fazem com que o usuário vá de um site a outro.

Cada página na internet tem sua própria Autoridade de Página.

Quando uma estabelece um link para outra, está repassando autoridade.

É por isso que um único link em uma página de alta relevância pode ser mais valioso que dezenas de links em páginas de baixa qualidade.

Dessa forma, percebemos que esse componente é diretamente influenciado pelo PageRank, assim como o próximo item.

Trustworthiness (Confiabilidade)

taxa de confiabilidade do google eat

Para que o Google enxergue uma página como relevante, ela precisa ser confiável.

Aqui, falamos sobre uma série de elementos, como a segurança do site.

Mas há mais.

Páginas com links quebrados ou que levam a páginas não-relacionadas, presença de malwares, itens em excesso e baixa velocidade de carregamento são penalizadas.

Assim como textos com baixa qualidade de conteúdo, erros gramaticais, falta de escaneabilidade, navegabilidade comprometida, sem design responsivo e que não ofereçam proteção de dados.

Como você pode perceber, o Google é severo em sua avaliação.

O E-A-T resume tudo aquilo que ele espera para posicionar páginas no topo dos resultados.

Mas, convenhamos, o objetivo é nobre: entregar ao usuário a melhor resposta.

O que o Google tem falado sobre o E-A-T?

declaraçoes do google sobre rankings e algoritmos

Em janeiro de 2019, o Google publicou um whitepaper no qual confirmou a importância do E-A-T.

Veja só:

discurso pelo google sobre E A T

Esse documento diz que:

“Nosso sistema de ranqueamento não identifica a intenção ou precisão de qualquer conteúdo. No entanto, foi projetado especificamente para identificar sites com indícios de expertise, autoridade e confiabilidade”.

Foram justamente essas palavras que causaram tanto alvoroço na comunidade.

Ora, o que seriam esses elementos tidos pelo próprio Google como primordiais para o SEO?

Aqui também podemos observar algumas informações interessantes, como a presença do termo “Avaliadores de Qualidade” (Quality Raters), que influenciam diretamente nas atualizações posteriores do algoritmo.

Isso quer dizer que há updates frequentes baseados em indicadores coletados por meio de testes em tempo real.

Qual é o impacto do E-A-T no YMYL (e o que é YMYL)?

impacto do google E A T para páginas específicas

YMYL é o acrônimo para Your Money Your Life.

Em português seria algo como Seu Dinheiro, Sua Vida.

Basicamente, são páginas que recebem atenção especial do algoritmo para avaliação.

Essa informação é interessante, pois mostra que alguns setores são considerados mais importantes que outros e, portanto, podem obedecer a critérios mais rigorosos.

Alguns exemplos desse tipo de página são:

  • Páginas de informações médicas: doenças, tratamentos, sintomas, medicamentos, procedimentos
  • Sites de compras, serviços e transações financeiras: bancos, e-commerces, marketplaces, pagamentos, investimentos
  • Conteúdo jurídico: aconselhamento jurídico, leis, processos ligados a cidadania, tutela infantil, divórcio
  • Interesse público: órgãos oficiais, programas governamentais, informações processuais, utilidade civil.

Se você parar para pensar, faz todo sentido.

Essas são áreas de grande interesse, cujas resoluções impactam diretamente na vida do usuário.

Nada mais lógico, então, que o conteúdo que chega à primeira página do Google seja checado com maior rigor, para que o buscador não acabe induzindo o usuário ao erro, o que aconteceria ao oferecer a ele uma resposta ruim.

Qual é a importância do E-A-T do autor dos textos?

importancia do google EAT par autores de textos

Vou contar a você uma pequena história.

No início, quando tudo era mato na internet, as pessoas precisavam digitar a URL do endereço desejado diretamente no navegador.

Para facilitar a identificação de sites relevantes, foram criados os motores de busca.

Mais tarde, a internet ficou mais acessível e alcançou grande parte da população mundial.

Foram criados os blogs, primeiramente como diários virtuais e, posteriormente, para sanar dúvidas frequentes dos usuários.

Com o passar do tempo, uma empresa dominou a tecnologia de pesquisas: o Google.

Seu mecanismo tornou-se o mais popular do mundo.

Como milhões de pessoas o acessavam diariamente, os profissionais de marketing observaram uma chance de atrair tráfego constante para seus blogs.

Assim surgia o elemento básico do marketing de conteúdo, os artigos otimizados para o Google.

Porém, redigir textos não é tarefa fácil.

Assim, para empresas e agências, era mais fácil contratar redatores terceirizados para realização da tarefa.

Ocorre que, na maioria das vezes, as empresas optavam pela vasta quantidade de textos.

Isso porque, ao ranquear para palavras-chave sem grande concorrência, era relativamente simples colocar uma página na primeira colocação da SERP.

Assim, os ghost writers ganharam força.

São redatores que, na maioria das vezes, não dominam o assunto, mas redigem textos baseados em outras fontes e referências.

Chegamos aos dias atuais.

O que temos é uma grande quantidade de conteúdos na internet redigidos por pessoas que não são especialistas.

O negligenciamento da qualidade foi percebido pelo Google, que, a partir das últimas atualizações, passou a considerar um elemento primordial para o ranqueamento: o autor.

Cada domínio tem o próprio E-A-T.

Cada página tem o próprio E-A-T.

E cada autor tem o próprio E-A-T.

A própria palavra autoridade pressupõe a existência de um autor.

Mesmo que seja uma empresa, o Googlebot avalia sua relevância por meio da procedência de outros artigos de mesma autoria.

Assim, surge mais um importante fator de ranqueamento.

A partir de agora, o responsável pela escrita é extremamente importante para o algoritmo.

Como os algoritmos medem o E-A-T?

medição do E A T pelos algoritmos

Mas, afinal, como os algoritmos medem o expertise, autoridade e confiabilidade?

Imagino que você deva estar se perguntando isso.

Bem, essa não é uma resposta simples.

Agora mesmo há milhares de especialistas ao redor do globo pesquisando sobre os fatores de ranqueamento do Google.

Entretanto, por meio de testes e avaliações, há conclusões que traduzem parte do funcionamento do bot.

Conheça algumas delas a seguir.

Menções sobre o autor

Em suma, esse critério leva em conta o autor dos textos.

Algumas das principais ferramentas de blog oferecem a possibilidade de definição de um perfil.

Com isso, o Google incorporou em sua varredura a identificação do indivíduo.

Além disso, o autor também é apontado por meio de sua presença no nicho para o qual se identifica como especialista.

Se há consistência e qualidade no ramo para o qual redige, há autoridade.

Simples assim.

Evidências científicas

Artigos que trazem evidências científicas, dados de pesquisas e outros tipos de materiais complementares são valiosos aos olhos do Google.

Em outras palavras, ao trazer informações baseadas em conhecimento empírico e estatísticas, a página recebe uma melhor classificação.

Revisões e atualizações

O Googlebot considera que conteúdos que recebem updates regulares são verdadeiros tesouros no fim do arco-íris.

Por isso, vale a pena atualizar artigos antigos com novas informações para mantê-los sempre em alta.

Reputação da empresa

Blogs corporativos são associados a sites de empresas.

Essas companhias recebem avaliações dos usuários, normalmente pelo Google Meu Negócio.

Assim, a reputação da empresa se torna um importante elemento para o bom posicionamento no motor de pesquisas.

Como melhorar o E-A-T?

melhora no ranking do google

Depois de tudo que leu até aqui, acredito que você queira saber como melhorar o E-A-T do seu site ou blog, certo?

Então, vamos lá!

Além das diretrizes conhecidas e aplicadas em SEO, há algumas práticas que podem ajudá-lo.

Abaixo, você vê dicas para alcançar esse objetivo.

Garanta boas avaliações

Uma boa imagem corporativa diz muito sobre as páginas de uma empresa.

O Google leva em consideração as avaliações em diferentes sites, como reviews em marketplaces e plataformas específicas, como o Reclame Aqui!.

Além disso, páginas em redes sociais, como Facebook, o Instagram e o Twitter também entram na conta.

Tenha menções de sites com autoridade alta

Como dito, o peso das páginas que levam o usuário até o seu próprio site têm impacto direto no fator autoridade.

Nesse caso, links de entrada em sites relevantes no seu nicho têm muito a acrescentar para o seu E-A-T.

Menções em redes sociais, enciclopédias digitais e fóruns de discussão são uma ótima maneira para adquirir autoridade, o que reafirma a necessidade do estabelecimento de presença digital nesses canais.

Conclusão

No texto de hoje, você observou uma série de informações sobre o Google E-A-T.

No início, vimos o que é E-A-T, por que ele é importante e destrinchamos cada um dos elementos que o compõe.

A seguir, falei um pouco sobre o YMYL, páginas que recebem atenção especial do algoritmo.

Na sequência, chegamos ao novo critério de avaliação de páginas, que levam em consideração o autor dos textos.

Por fim, aprendemos como o bot calcula o E-A-T e aprendemos a melhorá-lo.

Eu espero que esse conteúdo o ajude em sua estratégia de marketing.

Se você ficou com alguma dúvida, exponha-a nos comentários.

E não deixe de compartilhar comigo seus desafios: qual sua maior preocupação atual com o SEO de suas páginas?

Compartilhe