Neil Patel

Espero que você goste desse artigo. Se você quer que meu time faça o seu marketing, clique aqui.

Tomada de decisão: quais são as etapas e como fazer?

tomada de decisão

Tomada de decisão. Está aí algo que nós, como humanos, fazemos bilhões de vezes ao longo de nossas vidas — e ainda assim é uma ação que não dominamos. Empresas falidas estão aí para provar o meu ponto.

Sim, isso foi uma hipérbole, mas o meu ponto é falar que tomar uma decisão é mega importante, especialmente para quem gerencia um setor ou um negócio inteiro.

No caso corporativo, há vários fatores críticos ao redor de cada decisão: objetivos, orçamento definido, a vontade dos stakeholders, para citar apenas alguns.

É por isso que esse termo, “tomada de decisão”, se tornou uma buzzword no mundo dos negócios.

Essa ação é a diferença entre uma empresa bem-sucedida e outra que não sai do lugar.

E você, em qual lado quer estar?

Neste artigo, vou descomplicar o processo de tomar decisões e mostrar formas de inovar ao decidir os rumos do seu projeto ou empresa.

Interessou? É só continuar a leitura!

Ah, e olha só: meu time e eu preparamos um guia completo com as principais estratégias do marketing digital para impulsionar sua operação. Baixe, é gratuito!

banner as principais estratégias de marketing digital

O que é tomada de decisão?

A tomada de decisão, em sua forma mais simples, é o ato de escolher entre dois ou mais cursos de ação. No entanto, na teoria, é muito mais do que isso.

Em uma empresa, pode ser definido como o processo cognitivo que determina sua direção estratégica e molda seu futuro. Além disso, existem benefícios e consequências da tomada de decisão.

Técnico, né? Vou explicar em detalhes:

Em sua essência, decidir envolve a avaliação de diferentes alternativas com base no impacto potencial de cada uma.

Seja ao decidir sobre o lançamento de um novo produto, a contratação de um novo membro da equipe ou alocação de orçamentos de marketing: toda decisão carrega um certo nível de risco e recompensa.

Algumas delas são diretas, como escolher um fornecedor com base no preço e na qualidade.

Essas são o que normalmente chamamos de decisões operacionais ou rotineiras.

Elas geralmente são frequentes, de risco relativamente baixo e seguem um conjunto de diretrizes estabelecidas.

Por exemplo, um gerente de marketing decidir em qual plataforma de rede social anunciar um novo produto é uma decisão operacional.

No entanto, também existem decisões complexas.

São aquelas que taxamos como estratégicas, que podem impactar significativamente o futuro de uma organização.

Elas exigem um nível mais alto de pensamento, uma compreensão profunda dos objetivos estratégicos da organização e geralmente envolvem um nível significativo de incerteza.

Por exemplo, um CEO que decide entrar em um novo mercado ou adquirir uma empresa concorrente toma uma decisão estratégica.

O importante aqui é olhar para o impacto dessas ações, especialmente desta última que mencionei.

Mas e aí, você sabe o que diferencia uma decisão ruim de uma boa?

Talvez muitos pensem na resposta como “o resultado!“, mas não exatamente.

Tomar uma boa decisão significa escolher um caminho baseado em informações válidas, dados reais, atualizados e sólidos, levando em consideração as diferentes perspectivas dentro da organização e alinhá-las com os objetivos estratégicos da empresa.

Mas ok, não vou mentir: o resultado influencia muito.

O importante aqui, porém, é você se autoeducar com o fato de que os caminhos do seu negócio não podem ser definidos com base em elementos imaginativos.

Vejo muitos empreendedores traçando sua trajetória com base apenas em “experiência”. Te digo: isso é um erro.

É importante olhar para o todo e fazer sua jogada nesse xadrez que é o mundo dos negócios com base em informações concretas.

Você tem feito isso?

Quais são os principais tipos de tomada de decisão?

principais tipos de tomada de decisão

Eu sei, eu sei. Você provavelmente se perguntou: “Neil, tomar decisões não é apenas… bem, tomar decisões?”. Bem, sim, mas não é tão simples.

Assim como existem diferentes maneiras de comer uma pizza (comer com a mão, dobrá-la, usar garfo e faca etc.), existem diferentes abordagens para tomar decisões.

Vamos explorar algumas delas?

Tomada de decisão com base em valores

Em primeiro lugar, temos a decisão baseada em valores.

É quando as decisões são tomadas com base nas crenças e ética fundamentais de uma pessoa ou organização.

Por exemplo, se uma empresa valoriza a sustentabilidade, pode decidir adquirir materiais de fornecedores adeptos do ESG e que usam recursos renováveis, mesmo que isso signifique custos mais altos.

Aqui, a decisão é motivada mais pelos valores fundamentais da empresa do que por considerações financeiras.

Tomada de decisão intuitiva

Em seguida está a decisão intuitiva.

É o tipo mais “arcaico”, em minha opinião. Trata-se de seguir e confiar em seus instintos.

Me lembra de quando meus amigos e eu escolhíamos um time para um jogo de basquete.

Não tínhamos todos os dados sobre as estatísticas de cada jogador, mas tínhamos a sensação de que o cara alto seria um ótimo pivô.

Mas veja bem: nem sempre a decisão intuitiva é fruto de “teimosia” ou falta de estratégia. Não quero dizer que esse é o tipo erradoapenas menos baseado em dados.

Afinal, às vezes, não há espaço para análise e você precisa tomar uma decisão rápida.

Quer um exemplo?

Um CEO pode usar a decisão intuitiva ao escolher entre dois candidatos igualmente qualificados para uma função de liderança.

A decisão, nesse caso, pode depender de quem ele sente que seria mais adequado para a cultura da empresa.

Tomada de decisão colaborativa

Então temos a decisão colaborativa.

Aqui, é como um esporte de equipe: uma corrida de revezamento bem coordenada. Todos contribuem e a decisão final é um esforço de grupo.

É uma ótima maneira de promover a união do time e fazer uso de diversas perspectivas.

Afinal, duas (ou mais) cabeças costumam pensar melhor que uma!

Uma equipe de marketing, por exemplo, pode usar uma abordagem colaborativa para decidir sobre uma nova estratégia de campanha.

Ao envolver colaboradores de diferentes funções, eles podem garantir que a estratégia seja completa e ressoe com um público mais amplo.

Tomada de decisão racional

Uma das minhas preferidas: a decisão racional é tomada com base em análises e avaliações cuidadosas.

É como escolher um carro. Você não escolhe apenas o primeiro modelo bonitão que vê na concessionária.

Você compara modelos, verifica avaliações, faz um test drive e então toma sua decisão.

É uma abordagem estruturada e lógica para a tomada de decisões.

Por exemplo, um CFO pode usar a decisão racional ao decidir sobre uma alocação de orçamento.

Ele consideraria fatores como desempenho passado, projeções futuras e a importância estratégica de cada departamento antes de tomar uma decisão.

Tomada de decisão especializada

Finalmente, temos a decisão especializada.

É quando você deixa a decisão para alguém com conhecimento especializado ou experiência.

Um CTO, por exemplo, pode usar a decisão especializada ao decidir sobre a tecnologia necessária para iniciar um novo projeto.

Com a consultoria de um expert, é possível tomar uma decisão bem informada e precisa, que leva em consideração os requisitos, o orçamento e o cronograma do projeto.

As etapas do processo de tomada de decisão

Certo, já passamos bastante tempo conversando sobre o que é tomada de decisão nas organizações e seus diferentes tipos. Mas como realmente a tomamos?

Aqui, é importante ser metódico e seguir um processo. Vou detalhar o meu para você, olha só:

1. Entender qual é o problema a ser resolvido

Antes de tomar uma decisão, você precisa saber sobre o que está decidindo.

É como se vestir de manhã. Você não colocaria uma roupa de praia se fosse para uma reunião de negócios, certo? (Ou você faria? Não vou julgar).

Enfim, entender o problema significa compreender o contexto.

Quem está envolvido, o que está em jogo e quais fatores influenciam a situação.

2. Saber o que a empresa tem feito até o momento

A história tem muito a nos ensinar, especialmente nos negócios.

Veja o que sua empresa fez em situações semelhantes.

Funcionou? Ou foi um fracasso completo?

Use essas experiências como um guia, mas não tenha medo de experimentar coisas novas.

Afinal, aprendemos com nossos erros e, às vezes, as maiores inovações vêm da ousadia de ser diferente.

3. Levantar dados

Agora, é aqui que as coisas ficam interessantes.

Você vai precisar de dados para tomar decisões informadas.

É como fazer uma viagem sem mapa ou GPS.

Você pode ter sorte e encontrar o caminho, ou pode acabar perdido no deserto.

A coleta de dados relevantes vai ajudar você a entender o estado atual das coisas e a prever possíveis resultados.

4. Listar as possíveis soluções

Depois de reunir todas as informações, é hora do brainstorming!

Esquematize todas as soluções possíveis.

Seja criativo, pense fora da caixa. Lembre-se, mesmo as ideias mais malucas podem levar a avanços.

Aqui, recomendo conferir meu guia sobre brainwriting — um processo de ideação que pode ajudar nessa etapa.

5. Escolher a melhor opção para a empresa

Agora que você tem sua lista de possíveis soluções, é hora de tomar uma decisão.

Considere os prós e os contras de cada opção e como eles se alinham com os objetivos e valores da sua empresa.

Lembre-se, o que é melhor para a empresa pode nem sempre ser a escolha mais popular, mas como diz o ditado, “você não pode fazer uma omelete sem quebrar alguns ovos”.

6. Monitorar os resultados

Finalmente, depois de tomar sua decisão e implementá-la, não se sente e relaxe.

Monitore os resultados.

As coisas estão indo como planejado? Existem consequências inesperadas?

Essa etapa é crucial porque permite que você ajuste seu curso, se necessário, e aprenda com o processo.

Melhores práticas para a tomada de decisão

melhores práticas para a tomada de decisão

Ok, é hora do reality check.

Você e eu sabemos que o processo de tomar uma decisão pode ser tão complicado quanto enfiar uma linha em uma agulha — enquanto estamos em uma montanha-russa — ou tão fácil quanto somar 2 + 2.

É um processo volátil e que precisa de certo método para se garantir o sucesso. Aqui estão algumas práticas recomendadas para iluminar seu caminho:

Tenha em mente os objetivos da empresa

Em primeiro lugar, tenha sempre em mente os objetivos da sua empresa.

Essa é a sua Estrela do Norte. Cada decisão que você toma deve estar alinhada com esses objetivos.

Conheça os impactos das decisões

Em seguida, entenda os impactos de suas decisões.

Existe um ditado que fala “cada decisão, uma perda”. Eu acho um pouco radical, então prefiro considerar o seguinte: “cada decisão, um efeito cascata diferente”.

Seu trabalho é antecipar essas ondas.

É (de novo) como um jogo de xadrez.

Você não move sua rainha apenas porque é uma peça poderosa. Você pensa nas consequências, nas possíveis reações de seu oponente e como isso afeta seu plano de jogo geral.

Considere todas as informações relevantes

Em terceiro lugar, considere todas as informações relevantes.

Certifique-se de que você tem todos os fatos corretos e dados atualizados em mãos antes de tomar uma decisão.

Busque perspectivas diversas

Não se esqueça de buscar diversos pontos de vista.

Diferentes perspectivas podem fornecer informações valiosas que você pode não ter considerado.

Revise suas decisões

Por último, sempre reveja suas decisões. Refletir é uma parte fundamental do processo. É assim que você aprende e cresce.

Ei, se lembra do e-book que mencionei lá no começo? Só queria te avisar que você pode conferir as principais estratégias do marketing digital de graça. É só baixar meu guia!

banner as principais estratégias de marketing digital

Conclusão

Neste artigo, dissequei tudo que cerca a importância da tomada de decisão — da parte teórica às dicas práticas para melhorar o seu processo de escolha.

Destaco a importância de usar, com inteligência, os diferentes tipos de decisão.

Cada um tem seu lugar, seus méritos e seus desafios, e saber quando usá-los é uma habilidade que pode levar um negócio da estagnação ao crescimento.

Além disso, dividi o processo em etapas simples e acionáveis, com algumas dicas práticas que vão ajudá-lo(a) a tomar decisões eficazes.

E para você, como este guia influenciou seu processo decisório?

Que tal compartilhar algumas dicas com outros leitores e mostrar como é o processo na sua empresa?

Até a próxima!

Perguntas frequentes sobre tomada de decisão

O que é tomada de decisão?

É o processo de selecionar um curso de ação entre várias alternativas. Não se trata apenas de fazer escolhas, trata-se de fazer as escolhas certas que agregam valor.

Quais são as etapas do processo de tomada de decisão?

O processo envolve entender o problema, conhecer as ações passadas, levantar dados, listar possíveis soluções, escolher a melhor e monitorar os resultados.

Qual é a importância da tomada de decisão?

Esse processo é vital, pois direciona o curso de uma organização. Decisões corretas se alinham aos objetivos da empresa e levam ao sucesso.

Quais são os principais tipos de tomada de decisão?

Os principais tipos incluem a decisão baseada em valor, intuitiva, colaborativa, racional e especializada. Cada tipo tem seus méritos e pode ser usado em diferentes situações.

NP Digital Brasil

Você quer resultados imediatos?

Minha agência pode fazer todo o trabalho pra você. Somos especialistas em:

  • SEO - Colocamos seu site no topo das pesquisas do Google
  • Mídia Paga - Fazemos seu negócio alcançar quem importa no momento certo
  • Data & Conversion Intelligence - Desbloqueamos as conversões do seu site e criamos dashboards para melhores análises

Fale com um especialista

Consultoria com Neil Patel

Compartilhe

Neil Patel

source: https://neilpatel.com/br/blog/tomada-de-decisao/