O Que é Marketing de Conteúdo: O Guia Passo a Passo

Você sabe o que é isso?

(Image source: Wikipedia)

Isso, meu amigo, é um dos maiores exemplos de marketing de conteúdo de todos os tempos.

Aposto que quando você ouve a expressão “marketing de conteúdo” pensa logo em blogs, Twitter, Facebook e vídeos virais do Youtube, mas isso foi usado muito antes da Internet!

Por quê?

Porque marketing de conteúdo diz respeito a contar histórias – a humanidade tem contado histórias desde que foi capaz de falar.

A nossa atenção se voltará sempre para aqueles que contam ótimas histórias. Essa é a razão pela qual em 2015, blogs como  o de Tim Ferriss e  filmes como Jurassic World fizeram tanto sucesso – e porque  Kevin Spacey é o palestrante principal em uma conferência de marketing.

Em 1982, quando Hasbro e Marvel se uniram para lançar a série em quadrinhos  “G.I. Joe – A Real American Hero!”, tudo o que eles queriam era criar o que os personagens de Kenner em Guerra nas Estrelas já tinham  – uma rica história de apoio para os seus brinquedos de ação.

Após apenas dois meses do lançamento do primeiro “comic book”, que continha duas pequenas histórias, cerca de 20% dos garotos  entre 5 e 12 anos tinham dois ou mais brinquedos G.I. Joe.

Sete anos mais tarde a série era uma das mais fortes da Marvel – 2 entre 3 garotos na mesma faixa etária tinham pelo menos um personagem de ação de  G.I. Joe. 

Como usar o conteúdo para comercializar o seu produto?

Bem, muita coisa mudou desde aquela época – o que funcionava nos anos 80 não significa que funcionará em 2015.

Então vamos dar uma olhada no que significa marketing de conteúdo em 2015.

O Que é Marketing de Conteúdo

De acordo com o Instituto de Marketing de Conteúdo, marketing de conteúdo é definido como:

… uma abordagem estratégica de marketing com a intenção de criar e distribuir conteúdo valioso e atrativo que capture e retenha um público-alvo bem definido e, em última instância, dirija as ações desse público para um retorno lucrativo.

Em minha opinião a definição deles é sólida, mas posso também explicá-la da seguinte forma.

Marketing de conteúdo é uma estratégia de longa duração, baseada na construção de um forte relacionamento com os clientes, conseguido através do fornecimento de conteúdo valioso, consistente e altamente relevante para eles.

Eventualmente quando o cliente toma uma decisão de compra, a lealdade dele já está em suas mãos – ele está dando preferência para comprar o seu produto, ao invés das opções dos seus concorrentes.

Em contraste com propaganda one-off o marketing de conteúdo mostra que você realmente se preocupa com os clientes. Além disso, em um mundo cada vez mais ruidoso, os clientes, certamente, querem se sentir cuidados. Atenção é um dos recursos mais valiosos da atualidade.

Mantenha isso em mente enquanto damos uma olhada nos tipos de marketing de conteúdo existentes.

Visão Geral Sobre Marketing de Conteúdo

Eu não acho que quando o Joe Pulizzi fundou o Instituto de Marketing de Conteúdo (CMI) em 2010 ele sabia exatamente  a) imaginar onde estaria e b) que o CMI seria o sucesso que se tornou.

Em 2015 eles são referência para estatísticas de marketing de conteúdo e produziram um vídeo bem abrangente sobre a sua evolução:

A Historia do Marketing de Conteúdo:

Você já pode ver que a atividade tem estado presente há mais tempo que o próprio termo, uma vez que é baseada em se contar histórias.

Ainda existe muito para se aprender daquelas atividades offline de marketing de conteúdo anteriores à era da Internet. 

Hoje, entretanto, a parcela online não pode ser ignorada para uma campanha bem-sucedida de marketing de conteúdo. 

Em consequência da mudança na narrativa através dos anos, a atenção das pessoas também se desviou para outros lugares. Dessa forma, os profissionais de marketing devem se certificar de contar histórias atuais.

Agora que você já teve uma boa ideia sobre o que é marketing de conteúdo, provavelmente deve estar se questionando: “Como eu mesmo posso ser bem-sucedido com o marketing de conteúdo?”

Estou feliz que tenha perguntado!

Hoje em dia existem 3 categorias principais onde você pode aplicar marketing de conteúdo: online, offline e híbridos.

A melhor maneira para aprender a ser um grande profissional de marketing de conteúdo é através do exemplo.

Por isso vou lhe mostrar 15 ótimos exemplos de marketing de conteúdo em todas as categorias.

Modelando e ajustando esses exemplos você poderá aplicá-los para o seu próprio negócio.

Bem, colocando a idade antes da beleza, começaremos primeiro com a categoria offline.

Offline

Mesmo que a indústria de quadrinhos ainda esteja mais aquecida em 2015 do que nos anos 80, não é possível se dizer o mesmo para todos os canais offline nos quais as marcas costumavam contar histórias.  

Porém, todas as lições que foram aprendidas desses canais podem ser traduzidas para 2015 de um jeito ou de outro.

Eu vou conduzi-lo através de 3 exemplos históricos de marketing de conteúdo e depois mostrarei os equivalentes contemporâneos.

Exemplo Offline #1 – Comic books e blogs

Como sabemos, nos anos 60 Stan Lee e seus amigos criaram a Marvel. Eles tentaram contar as melhores histórias que podiam. As histórias iniciais venderam milhões de cópias por mês.

A Marvel ainda hoje domina o espaço de quadrinhos, não apenas com uma fantástica participação de mercado de cerca de 30%, mas também com pedidos estratosféricos para compra de revistas de quadrinhos:

marvel

Mesmo que a indústria de quadrinhos tenha feito colossais $540 milhões no ano passado, ela absolutamente empalidece em comparação com as vendas de produtos relacionados à esses quadrinhos. 

Apenas no ano passado a Disney, que comprou a Marvel em 2009, registrou vendas de $40 bilhões de dólares, apenas com  produtos.

Novamente: Eles venderam $40 bilhões em canecas, bonecos plásticos e camisetas.

Esse valor não inclui qualquer quantia gerada pelas vendas de filmes ou ingressos para parques temáticos. Apenas produtos. 

Chocante.

Quero dizer:

  • Boa narrativa isolada  = um bocado de dinheiro, mas…
  • Boa narrativa + ótimos produtos = 80 bocados de dinheiro

No case Marvel a história era o produto. Em seguida, o produto adicional veio com o tempo. Entretanto em 2015 a história deve vir muito antes do produto.

Hoje em dia a maneira mais fácil de se contar ótimas histórias e em torno delas construir bons produtos é através dos blogs. 

Você não precisa mais de desenhistas, pintores ou uma prensa de impressão para lançar quadrinhos. Se você é talentoso em desenho ou em criar histórias espirituosas, pode terceirizar a outra parte a um custo tão baixo quanto cinco dólares e criar um blog que atraia centenas de milhares de leitores a cada mês. 

Tudo que você tem a fazer é liberar uma tira por dia.

Incluir notícias em torno dos quadrinhos para agregar valor.

Lembre-se de que o conteúdo tem que ter valor e ser relevante ao público alvo.

É por isso que marcas como Excedrin  comemoram imenso sucesso, através do desenvolvimento de uma estratégia de conteúdo para suas pílulas de dor de cabeça.

migraines

No  blog enxaqueca da Excedrin são fornecidos conselhos úteis para todos os que sofrem do problema, software gratuito para ajudar a rastrear a sua origem, além de cupons para leitores e clientes fiéis.

Mas esse tipo de marketing não é apenas para grandes marcas, indivíduos isolados também podem criar muitos seguidores dessa forma.

James Altucher é um excelente exemplo. Depois de blogar por 5 anos contando histórias a cada semana, os seus posts do blog agora recebem, rotineiramente, milhares de compartilhamentos.

shares

Com o tempo ele construiu uma enorme lista de seguidores e agora tudo o que precisa para vender seus livros ou produtos é um e-mail enviado para sua lista de 200.000 e-mails pessoais.

Como a manutenção de um blog tem custo quase nulo, é uma ótima maneira de testar se suas histórias já estão boas ou se precisam ser melhoradas. Além disso, você sempre pode usar o blog como um canal para fornecer conselhos úteis para o público do seu nicho.

Muito antes de ter clientes, ou mesmo de vender qualquer coisa, você pode construir uma camaradagem leal com os seus leitores.

O resultado será uma longa lista de amigos ansiosos esperando para comprar quando você fizer o lançamento do seu produto.

Exemplo Offline #2 – De novelas para Netflix

Você sabe por que as novelas são chamadas de “soap operas” (óperas sabão)? 

A primeira novela foi ao ar em 1930. Foi chamada de “Sonhos Pintados” e era ouvida no rádio, cinco dias por semana, de manhã e à tarde.

Audiência inicial: donas de casa.

Os episódios, na maioria das vezes, apresentavam elementos muito dramáticos, com suspense no final – característica anteriormente conhecida das peças de ópera.

A maioria das donas de casa limpava as suas casas enquanto ouvia a novela. Naturalmente a indústria comercial saltou a bordo do navio e, você adivinhou, foram ao ar comerciais de sabão nos intervalos.

soap

(Image source: Wikipedia)

As histórias passaram a vender os produtos e os produtos eram relacionados com atividades que levavam os clientes a ouvir mais histórias.

Ok. E como é hoje?

Alguma ideia do que hoje temos semelhante a uma “soap opera”?  Suspense…. compulsão para assistir …. típico drama de ópera …

Isso não soa tremendamente como Netflix?

Atualmente com 60 milhões de assinantes e um serviço de assinatura mensal por apenas $10, a Netflix deve gerar uma receita de US $ 6 bilhões em 2015.

Há alguns anos a Netflix começou a produzir os seus próprios shows originais, como House of Cards, e, recentemente, Daredevil.

netflix

Ao invés de apenas levar grandes programas de TV e filmes para usuários em todo o mundo, a empresa decidiu começar a contar as suas próprias histórias para criar mais consciência para a marca e assim expandiu alucinadamente em seus primeiros anos.

Daredevil é totalmente financiado e produzido pela Netflix e, quem poderia imaginar, um clássico Marvel.

Vê como a roda de marketing de conteúdo se mantém girando e girando?

Nota: A Netflix desde então continuou a introduzir mais quadrinhos Marvel em sua programação, o mais recente foi Jessica Jones.

Exemplo Offline #3 – De truques publicitários sorrateiros para comerciais virais

Quando a Hasbro lançou sua série de quadrinhos G.I. Joe, eles enfrentaram um dilema.

Eles queriam dirigir comerciais de TV para promover os seus brinquedos de ação e histórias em quadrinhos – essa foi a primeira medida de avaliação na história.

Porém o regulamento da TV determinava que os comerciais de brinquedos tinham que mostrar os brinquedos e só incluir, no máximo, 10 segundos de animação, de modo a não enganar as crianças a pensar que os brinquedos podiam fazer mais do que eles faziam.

A fim de contornar este problema, eles decidiram se concentrar na história, não no produto. Eles retiraram completamente os brinquedos e promoveram apenas a série de quadrinhos.

Nunca antes um comercial de TV havia promovido apenas histórias em quadrinhos e, graças ao fato de terem se submetido às regras, a Hasbro foi capaz de mostrar 30 segundos de material animado.

O comercial original está atualmente feito para o Youtube.

Naquela época os comerciais de TV funcionavam. Nos anúncios de web atual, que fizeram o nosso grau de atenção ficar reduzido ao mesmo grau de um peixe, propagandas de TV dificilmente capturam a nossa atenção.

O que faz despertar a nossa atenção são os comerciais virais, como os produzidos para o Super Bowl.

Observe esse comercial da Volkswagen, uma marca alemã de carros, mostrado durante o Super Bowl de 2014:

Propaganda da Volkswagen no Super Bowl:

Ele não só foi visto por centenas de milhões de telespectadores durante o próprio Super Bowl, mas também se tornou um vídeo viral no Youtube, ganhando centenas de milhares de visualizações.

A melhor parte: ele continuará assim. Cada comercial que a empresa cria para o Super Bowl vai se tornar um ativo online e colecionará visualizações em todos os anos vindouros.

60 million

(Comercial da Volkswagen para o Super Bowl  2011)

Os clientes estão felizes porque eles podem passar horas se entretendo e a Volkswagen está feliz porque ela nutre o relacionamento com seus fãs enquanto os executivos estão dormindo.

Online

Ok, então offline se transforma em online de um jeito ou de outro, mas o marketing de conteúdo não diz respeito apenas sobre interwebs desde o início?

Sim, diz.

As marcas investem muito nisso e algumas fazem um ótimo trabalho.

É por isso que é hora de olhar para alguns dos melhores exemplos de marketing de conteúdo que começaram online.

Exemplo Online #1 – O primeiro de todos os vídeos virais 

Lá atrás em 2005, quando o Google Vídeo era novidade, as pessoas costumavam baixar vídeos e assisti-los offline. Foi então que o primeiro vídeo viral fez a sua estreia.

A companhia de TI LiveVault contratou dois profissionais de marketing independentes e eles decidiram fazer um vídeo divertido para os profissionais de destaque em TI, o seu grupo alvo.

Afinal de contas, sistemas de backup em disco para dados corporativos não são muito sexy, então eles decidiram estimular algumas risadas.

John Cleese, famoso ator e comediante, garantiu que eles fossem bem-sucedidos.

Cleese demonstra as graves consequências de uma doença fictícia chamada “Backup Trauma” e deixa o espectador com várias opções para continuar a explorar os produtos e serviços da empresa, clicando em botões na parte final do vídeo.

O conteúdo era ótimo porque era engraçado e interativo e ainda promovia os serviços deles.

O vídeo foi baixado quase 300.000 vezes nos primeiros meses após o seu lançamento – e lembre-se, isso foi há 10 anos! 

É claro que com tantos vídeos publicados diariamente ficou mais difícil para se destacar, mas se você criar um conteúdo de vídeo sólido, você ainda pode conseguir um hit!

Exemplo Online #2 – O que é code?

“O que é code?” É um artigo publicado pela Bloomberg Business Week em Junho de 2015. Deixe-me reformular isso. Não é um artigo.

É um livro.

O artigo é a peça mais longa que já publicaram. 38.000 palavras.

Ainda assim eles não o publicaram como um livro. Ou uma revista. Ou em um jornal. 

Eles apenas o lançaram online. De graça.

Tem gráficos animados, capítulos, seções, exemplos, notas, estatísticas, e, e, e …

lets begin

O resultado? 93.000 compartilhamentos. Isso quer dizer 93.000 pessoas que agora conhecem a Bloomberg.

93000 shares

E elas estão propensas a voltar para ler mais e, eventualmente, um dia, tornarem-se clientes através da compra de uma assinatura da revista.

Doeu publicá-lo gratuitamente? Eu duvido.

Dica positiva: Você nem precisa ir tão longe quanto a Bloomberg. Olhe para esse guia de produtividade de 7.000 palavras sobre como parar de ser multitarefas e se concentrar em uma tarefa que realmente importa.

É um exemplo de uma lista expandida de posts, como o Brian Dean da Backlinko denominaria isso.

Você conhece toda a longa lista de posts, certo? Como essa da Boost Blog Traffic com 77 recursos de traffic building.

Em em vez de apenas listar todos os itens, se simplesmente adicionar instruções detalhadas para cada ponto de lista, as suas postagens se tornarão 10 vezes mais valiosas – e antes que você perceba, terá um conteúdo vasto e de ótima qualidade. Brian é mestre nisso.

Exemplo Online #3 – Infográficos

Você já sabe que eu sou um tremendo fã de infográficos. Na KISSmetrics nós já publicamos 63 infográficos até a data atual.

Elas são uma maneira elegante de agrupar informações valiosas, resumi-las e apresentá-las de uma forma clara.

É mais fácil entender quantas taxas de cliques por email superam o Facebook e o Twitter, em vez de apenas dizer que o “email tem maior engajamento”.

infographic

(excelente infográfico de Devesh Design)

Eles costumam receber uma grande quantidade de compartilhamentos e a seção de referências é uma ótima maneira de aumentar o número de formadores de opinião com os quais você gostaria de se conectar. 

Eles frequentemente ficarão felizes em compartilhá-lo com seu público, desde que você os mencione.

Além do mais, quando o seu público tiver dúvidas futuras sobre o mesmo tópico, adivinhe para quem eles irão se voltar?

Você.

“Deixa eu olhar o cara do e-mail infográfico de novo, talvez ele também tenha alguma coisa sobre isso.”

Isso é exatamente o que você quer.

Exemplo Online #4 – Podcasts

Podcasts são os rádios do século 21. Eles têm menos propaganda e mais valor.

A maioria dos podcasts geralmente tem um patrocinador, ou anuncia um produto no início e no final do show. Só isso.

As pessoas gostam deles porque podem ouvir os seus ídolos e heróis contarem tudo sobre qualquer tema que estejam interessados.

Quando eu escuto Pat Flynn entrevistando Ramit Sethi, eu aprofundo o meu relacionamento com ambos. Eu passo a conhecê-los melhor e, uma vez que eles estão me ajudando, eu ficarei à vontade para procurá-los no futuro para novos conselhos. 

Às vezes esse conselho pode ser pago – e isso é bom.

Se você acha que entrevistar pessoas é um desperdício do seu tempo, você não poderia estar mais enganado. John Lee Dumas, anfitrião e fundador do Entrepreneur on Fire é o melhor contra-exemplo.

Tudo o que ele fez foi entrevistar um empresário por dia e publicar. Dessa forma ele conseguiu uma enorme coleção de registros muito rápido – e teve enorme sucesso com isso.

Confira o seu relatório de rendimentos do mês anterior:

revenue

(veja o relatório de rendimentos completo aqui)

Um negócio de milhões de dólares apenas pegando um microfone e chamando um grupo de pessoas no Skype.

Nada mal, hein?

Exemplo Online #5 – Manuais e ebooks

Pense nesse cenário junto comigo. 

Você fez o que poucas pessoas fazem e criou um produto real para o seu negócio online.

Você criou uma página de vendas e divulgou. Mas ninguém compra 🙁

Há algo faltando. Em seguida, você descobre o que é.

Copywriting! Você precisa aprender copywriting (escrever textos). Bem fácil, basta apenas pedir ajuda ao Google, certo? 

Digite “aprender copywriting” e voila, o Copyblogger aparece.

copyblogger

Acesse este link e segure-se na cadeira. Veja o que eles fizeram: 

ebooks

Isso é insano. Não é um PDF. Ou um post de blog. Ou um curso pago.

É uma série de 16 ebooks, MAIS um curso de 20 partes.

Tudo grátis!

Você poderá aprender copywriting em uma semana, apenas desses manuais. Se você precisar de mais, é muitíssimo provável que o Copyblogger seja a sua primeira parada.

Exemplo Online #6 – Red Bull Stratos

Essa é notável. É como se a Red Bull tivesse criado a sua própria mini versão do Super Bowl.

Em 14 de outubro de 2012, Felix Baumgartner, um paraquedista austríaco, saltou de um balão de ar quente na estratosfera. Basicamente ele pulou do espaço.

Ele caiu de 24 milhas de altitude a 843 mph. Ele superou o recorde do Mach 1 e 3 recordes mundiais imediatamente – o primeiro homem a superar o Mach 1, sem qualquer veículo motorizado – a mais alta viagem de balão e o mais alto salto.

Nunca alguém havia feito isso antes.

O único patrocinador do evento: Red Bull.

Eles fizeram história – e a comercializaram.

Não só o evento obteve uma cobertura insana da mídia, como ainda foi para o livro de recordes mundiais Guinness.

Excitação, suspense emocionante, entretenimento na sua melhor forma e um sucesso total para a Red Bull. 

Exemplo Online #7 – Patrocínios GoPro

“Ei, quando você for surfar aquela próxima onda gigante, gostaria de filmá-la? Aqui está uma câmera que é perfeita para fazê-lo! ”

A GoPro está em qualquer lugar onde o esporte está. Quer dizer, em todos os lugares.

Já que o produto deles cria conteúdo, então a melhor maneira de comercializá-lo é mostrar como é eficaz em fazê-lo.

Portanto, eles patrocinam todos os tipos de eventos, atletas e artistas como surfistas, ciclistas de competição e, até mesmo, malabaristas do cubo Rubik.

O produto faz o resto para eles. Basicamente, ele próprio se vende.

Tudo o que eles têm a fazer é editar o vídeo, jogar uma música legal em cima dele, e boom, milhões de visualizações:

gopro

Eu não sei quantas vezes eu assisti esse vídeo, mas você já adivinhou qual câmera eu comprei quando fui ao México para uma viagem com os amigos.

Exemplo Online #8 – Campanhas de Mídia Social

Para se executar bem uma campanha de mídia social é indispensável respeitar o contexto da plataforma.

Não é possível postar uma série de 10 “tweets” no Twitter. Ninguém iria vê-los todos. Nem um trabalho de vídeo no Instagram.

Se você decidir investir tudo em um canal de mídia social específico, certifique-se que você saiba como os usuários usam a plataforma.

A Disney decidiu divulgar uma campanha no Twitter, mas no Twitter você só tem alguns segundos para capturar a atenção do seu público.

Eles fizeram um ótimo trabalho ao usar uma brincadeira com a forma como a plataforma funciona.

Uma vez que o Twitter limita os “tweets” a 140 caracteres por mensagem, a Disney decidiu criar o “Twitter Hashtag Definitivo em 140 caracteres”.

disney

(way to go Disney)

 

Esses são os personagens Disney. Eles reuniram 140 dos seus artistas para formar um símbolo hashtag, tiraram uma foto e enviaram pelo Twitter.

O resultado: mais de 2000 tweets reenviados e 3000 favoritos até a data.

Então não se esqueça de pesquisar sobre a plataforma onde irá executar a sua campanha. Não se trata apenas de fornecer um conteúdo de valor, mas também fornecê-lo na forma correta.

Exemplo Online #9 – British Airways e o outdoor vivo

Lembra como eu falei sobre outdoor no último manual?

Bem, eles ainda funcionam. Se você utilizá-los na forma correta.

A British Airways apareceu com uma forma muito legal de fazê-lo. Eles instalaram um outdoor com vídeo em Piccadilly Circus que mostrava um garoto que apontaria para o céu sempre que um avião da BA sobrevoasse. 

Não só isso, o cartaz também mostrava as informações de voo e o número do voo. 

flight

(a campanha #lookup atingiu 350 milhões de visualizações)

Imagine ver o avião de sua irmã no momento que ele parte para uma viagem para a Europa e ter essa criança apontando para ele.

Não faz você se perguntar: “Hum, não seria legal se minha família pudesse ver meu próximo voo como este também?”

A British Airways acabou de chegar até você. Bastou algumas lâmpadas de LED, uma maneira criativa de mostrar as informações de voo e a sensação natural de admiração que voar ainda nos traz.

Exemplo #10 – Campanha de marketing de Mensagem de Texto da Ford

Quão irritante é se deslocar até um revendedor de automóveis e ser imediatamente colocado contra a parede pelo próximo vendedor chato que vier te atender?

Isso não acontecerá mais. A revendedora Ford criou um serviço “texto-para-mais-info” para os seus clientes. Eles vêem o poster, enviam a mensagem de texto para a FORD em um determinado número e podem então escolher o modelo do qual eles querem informação. 

É uma simples questão de fornecer informações oportunas para poupar algum tempo. Todos nós não valorizamos nosso tempo mais e mais? 

Que boa mudança de ritmo tem uma empresa que não empurra os seus produtos na nossa cara, mas que nos dá o tempo que queremos para pensar sobre eles.

Embora a Ford te siga até 3 vezes no caso de você não responder, ainda é uma ótima maneira de dar controle ao cliente sobre a experiência.

A campanha deu a eles uma taxa de conversão de 15,4%.

Híbrido

Por último, quero mostrar-lhe 2 exemplos do que eu chamo de conteúdo de marketing híbrido. Eu já mostrei que online se transforma em offline e vice-versa.

Algumas empresas já utilizam este princípio e constroem o seu marketing de conteúdo em torno disso.

Você pode usar online como uma porta de entrada para offline e o contrário.

Por exemplo, você poderia usar a mídia social para chamar a atenção para um evento offline ou executar um evento offline e levá-lo online.

Exemplo Híbrido #1 – Gary Vaynerchuk chama fãs

Gary é um verdadeiro mestre em marketing de conteúdo.

Esse cara está sempre pronto a fornecer valor. Além disso corre 27 horas por dia.

Uma vez quando ele estava a caminho para uma entrevista com Chase Jarvis em 2013, ele teve alguns minutos de sobra indo do aeroporto para o estúdio.

Ele enviou uma mensagem simples pelo Twitter para que os seus fãs lhe enviassem, em mensagem de texto, o número do celular deles porque ele iria chamá-los.

gary vaynerchuk

Parece incrível, mas ele criou um mini evento offline e usou a sua enorme lista de 1,18 milhão de seguidores do Twitter para chamar a atenção para ele.

Em segundos ele tinha várias pessoas, ligou para cada um deles por cerca de um minuto ou dois e seguiu para o próximo.

Um gesto tão simples, mas como Gary explicou mais tarde, uma curta ligação de 1 minuto pode lhe dar um outro soldado leal em seu exército para toda a vida.

Exemplo Híbrido #2 – Tweets durante um show

O show que Gary fazia era chamado Chase Jarvis Live e tinha 90 minutos de duração.

Durante o show ao vivo eles não só recebiam perguntas da plateia, como também pediam às pessoas para enviar perguntas via Twitter usando uma hashtag específica.

tweet

Em vez de um evento offline aborrecido para uma minoria exclusiva, de repente tinham um show com alcance mundial, em que qualquer pessoa podia participar.

Apenas a chance de ter a minha própria pergunta pessoal respondida torna muito mais provável para mim estar envolvido no show, ouvir atentamente e realmente processar o valor que ele já me deu.

A forma híbrida de marketing de conteúdo tornou-se cada vez mais popular com a aplicativos como Periscope, Snapchat e outros, tornando mais fácil do que nunca colocar offline online e o contrário.

Conclusão

Ufa. Muitos exemplos. E estes são apenas a ponta do iceberg. Eu espero que eles tenham lhe dado uma boa ideia do que é preciso para ser um bom profissional de marketing de conteúdo. 

Além do mais, eu realmente espero que você veja que não é preciso um grande orçamento de marketing. Qualquer pessoa pode usar o marketing de conteúdo para a sua vantagem.

Em pouco tempo, todos nós vamos ter que utilizá-lo, se quisermos permanecer bem-sucedidos,  porque o mundo fica mais ruidoso a cada dia.

Aqueles que colocarem o foco em contar boas histórias, não importa em que plataforma ou em qual contexto, sairão ganhando no longo prazo.

Gritar mais alto não vai ajudá-lo mais, somente gritar coisas melhores.

Então, qual é a sua história? Você já está usando o marketing de conteúdo?

Se você tiver quaisquer outros grandes exemplos que eu tenha esquecido, por favor me conte sobre eles nos comentários.

 

Share